);

Saber como manter uma boa convivência com os empregados domésticos é fundamental para que o vínculo entre patrão e profissional seja o melhor possível. Afinal, falhas nesse processo podem influenciar no trabalho executado, criar um clima nada agradável no dia a dia de todos, além de enfraquecer os limites da relação entre os envolvidos.

Pensando nisso, elaboramos este conteúdo a fim de explicar as principais estratégias para proporcionar o melhor incentivo à doméstica, fazendo com que ela realize a sua função com qualidade e eficiência. Confira!

Convivência Com os Empregados Domésticos

1. Especifique as atividades do empregado doméstico

É essencial deixar bem claro desde o início quais serão as tarefas a serem desenvolvidas pelo empregado. Para isso, o recomendável é inserir tudo no contrato de trabalho, por exemplo:

  • endereço do local onde a jornada de trabalho deverá ser cumprida;
  • jornada de trabalho, detalhando os dias e os horários, incluindo as pausas para as refeições e as folgas;
  • valor do salário;
  • eventuais alterações na jornada laboral e a forma como a compensação de horas será realizada;
  • funções que serão executadas;
  • regime de horas extras;
  • condições de moradia, se a empregada doméstica for residir no local de trabalho;
  • descontos sobre o salário e a que eles se referem, entre outros.

Todas as informações relevantes devem ser acrescentadas ao documento. Além disso, empregador e empregada precisam estar de acordo com todas as cláusulas, para impedir problemas futuros por desacordos. Para evitar conflitos sobre as horas trabalhadas, que podem parar na esfera judicial, é preciso contar com um controle de ponto eficiente, que vai garantir o cálculo e o pagamento correto das horas realmente laboradas.

2. Ofereça as condições de trabalho apropriadas

Um fato que motiva bastante e gera proteção à empregada doméstica é propiciar um ambiente de trabalho organizado e seguro. Essa organização também demonstra ao profissional o quanto você se importa que o trabalho seja bem executado e que todas as solicitações sejam atendidas.

Isso precisa estar bem alinhado desde o momento da contratação. Por esse motivo, liste todas as atividades para a empregada e disponibilize todos os materiais que ela precisa para desenvolver suas tarefas de maneira correta.

3. Defina os limites da relação trabalhista

Após a contratação, delimitação das obrigações de cada um e inícios das atividades, é preciso definir os limites da relação trabalhista que se originou. Em relação aos limites da empregada, é necessário:

  • separar o permitido daquilo que não é aceitável, especificando e detalhando ao máximo essas questões, como: uso de aparelhos sonoros na residência, permitir o acesso de terceiros sem autorização, utilizar o celular durante o trabalho etc;
  • informar se houver lugares de acesso proibido dentro casa ou mesmo alimentos e objetos destinados exclusivamente aos membros da família.

Em relação aos limites do empregador, é importante deixar claro que os direitos, espaço e intimidades da empregada precisam ser respeitados, para que esse relacionamento possa ocorrer de maneira respeitosa. Diante disso:

  • respeite o combinado em relação às atividades que a empregada precisa cumprir. Assim, não solicite a realização de funções que não foram previamente estipuladas no contrato;
  • não invada a privacidade da funcionária;
  • nunca grite ou ofenda a empregada.
  • tenha muito cuidado para não acusá-la de uma prática que não possa provar.

Cumprir com esses aspectos é primordial em qualquer convívio, então, vale a boa vontade de cada uma das partes para cumprir com o que ficou combinado.

4. Seja pontual com os pagamentos

Atrasar o pagamento do salário da empregada doméstica pode fazer com que ela se sinta desmotivada, improdutiva e realizar suas tarefas com má vontade e insatisfação, o que pode ser um gatilho para o início de conflitos e impactos negativos na convivência. Então, o melhor a se fazer é ter o pagamento da colaboradora como prioridade, além de cuidar do recolhimento dos encargos, por meio do Documento de Arrecadação do eSocial Doméstico (DAE).

5. Estimule a qualificação e o crescimento profissional

Atualmente, existem vários cursos rápidos para capacitação de empregadas domésticas disponíveis no mercado, tanto online quanto presencial. Nesse caso, é preciso estimular a funcionária a aprimorar seus conhecimentos e melhorar ainda mais a forma como realiza o seu trabalho. Uma alternativa é custear o curso ou treinamento para ela, já que você também será beneficiado com as novas competências e habilidades obtidas.

6. Seja flexível

Caso ambas as partes estejam satisfeitas com a convivência e a relação trabalhista, é preciso entender que imprevistos podem ocorrer e saber como lidar com esse tipo de situação. Para isso, é importante se mostrar flexível e entender que todos estão sujeitos a isso. Geralmente, a ausência da funcionária pode atrapalhar a rotina da casa, mas é necessário ceder um tempo para ela poder resolver o problema e voltar tranquila e feliz para o trabalho. Com certeza, os resultados serão bem melhores.

7. Forneça feedbacks

Seja para elogiar ou fazer uma crítica construtiva, o feedback é uma ótima forma de dar um retorno para a colaboradora. Uma recomendação é realizar uma breve reunião e apresentar os pontos fortes e aqueles que precisam ser melhorados.

8. Seja imparcial caso tenha mais de um funcionário

Caso tenha mais de um empregado doméstico atuando em sua residência, mesmo que prefira os serviços de um em especial, não solicite que ele confira os serviços dos demais, já que isso pode causar um desgaste muito grande. Também, é preciso saber como agir em caso de desavenças que podem influenciar no clima do lugar, atuando de forma imparcial e evitando atos por impulso. Sempre escute todos os envolvidos para conseguir tomar providências justas e coerentes.

Também, busque entender as dificuldades e as habilidades de cada colaborador, evitando exigências que ele não possa cumprir. Nesse caso, a ideia é engajar todos para poderem oferecer o melhor de si e colaborar para o bem-estar geral.

Além das dicas apresentadas para manter uma boa convivência com os empregados domésticos, é preciso salientar a relevância de providenciar a regularização do emprego, prevenindo demandas trabalhistas e demais problemas.

Quer saber como podemos ajudar nessa relação entre empregador e empregado doméstico? Então, entre em contato com a gente e conheça nossas soluções!

[Modelo] Recibo de pagamento do empregado doméstico

0 comentário

Deixe uma resposta

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *